Fiquei um tempo afastada das arrumações por motivos de férias (Yay!) e visitas. Organizar, pra mim, é um ato solitário, por maior que seja o trabalho. Coisas de quem está ficando velha e chata mora sozinha, talvez.

27915123013_30dce5a947_z
“Começaaaaaaaaaaaar de noooooooovo” (Foto: May S Young)

Apesar do atraso, já passei da metade da lista de triagem de Marie Kondo. Acho que o exercício nas fases anteriores realmente me deixou mais ligeira na hora de avaliar o que serve, o que me faz feliz, o que deve ir embora. Também sinto que fica mais fácil tomar decisões de como agrupar e organizar os objetos.

Outra vantagem: aproveito melhor o que tenho. As roupas circulam mais, os livros são mais consultados, as maquiagens andam mais variadas.

Alguns montinhos de coisas pela casa persistem, mas sinto menos aflição porque tenho segurança de que no final do processo, quando todos os espaços estiverem liberados, eu vou conseguir encaixar tudo em lugares que façam mais sentido, que deem destaque para os objetos mais especiais.

Confesso que fiquei com medo de não conseguir continuar depois do hiato, mas o Konmari é tão incrível que você fica na verdade contando os dias pra voltar ao processo e, finalmente, ficar com toda a casa reorganizada. E lá vamos nós!